PORQUÊ USAR UM ALGORITMO PARA LIGAR A ILUMINAÇÃO?

Quando o que eu quero é que a luz ligue automaticamente, mas que o faça tendo por base dois factores que, podendo ser contraditórios, são vitais:

  • – Que ligue com o nível de luminosidade adequada ao momento,
  • – Que não use grandes recursos energéticos.

O cada vez mais elevado custo da energia tem condicionado a sua utilização ou obrigando a uma utilização de forma mais controlada mais racional. Obviamente que esta combinação nem sempre é fácil de conseguir por nós, humanos.

Se pretendo que a iluminação se ligue automaticamente quando entro num local após detectado, e que se ligue com um nível de luminosidade adequado ao momento e se mantenha assim enquanto ali estiver, então já irei necessitar de uma solução mais completa que não apenas um simples detector de presença que, na melhor das hipóteses me obrigará a uma “dança de braços” a cada 5 minutos para ser detectado outra vez, após se desligar.

Uma tecnologia de análise do ambiente dotada com um algoritmo capaz de selecionar a quantidade de luz a fornecer em função da luz ambiente e até executar algumas regras especificas que possam ter sido desenhadas é, sem dúvida, útil nestas ocasiões porque consegue aplicar em simultâneo os factores que referimos; quantidade de luz e consumo mínimo.

Os algoritmos genéticos (Genetic Algorithm) são desenhados para conseguirem técnicas de análise e de otimização dos resultados para que foram construídos, tendo como base o princípio Darwiniano da seleção natural e reprodução genética ou seja, seguindo a teoria de Darwin, “o princípio da seleção privilegia os indivíduos mais capazes e com maior longevidade, portanto, com maior probabilidade de reprodução”.

Assim, os AG são a essência da identidade de cada indivíduo e estão representados nos cromossomas de cada um de nós. Esta “essência da identidade” é imitada na construção de algoritmos computacionais que procuram sempre a solução mais adequada para um determinado problema, como aquele momento, em particular, quando entro na sala e a luz se liga no nível de luminosidade adequado ou no nível de luminosidade que previamente se determinou no algoritmo e que deve acontecer em ocasiões muito particulares.

Esta é sem dúvida uma grande vantagem que a algoritmia apropriada nos proporciona, sem que disso tenhamos noção.

A aplicabilidade dos algoritmos é, hoje muito vasta. Os AG são particularmente aplicados na resolução ou na ajuda à resolução de problemas ou situações complexas que requerem otimização. Por exemplo situações onde em tempos muito curtos, mili ou nanossegundos, ambientes com diversos parâmetros ou características que precisam ser analisadas ou combinadas de forma a obtermos a melhor solução, problemas com elevado número de restrições ou com condições que não podem ser representadas matematicamente de forma linear, como por exemplo a situação que descrevi em que assim que sou detectado na área de influência do meu smartphone ou do sensor de presença, o algoritmo “acorda” e confirma se de facto a presença detectada é válida, se é real, em simultâneo lê a quantidade de luz ambiente, verifica se existem regras complementares para aquele período horário ou, se identificou o meu smarphone sabe que idade tem a pessoa e as suas limitações, e após as absorver, volta a analisar a luz ambiente comparando se existe a necessidade de aplicar um “adicional” de luminosidade ao natural já existente ou não, dando finalmente ordem ao dispositivo de controlo da iluminação para se ligar “naquele nível de luminosidade” que foi considerado o ideal, dadas as circunstancias.

E continua a efectuar estes cálculos enquanto detectar a minha presença no local, adequando de forma imperceptível os parâmetros tendo sempre presente as duas grandes regras; O nível de luz mais adequado e o menor consumo possível.

A tecnologia desenvolvida pela SST Smart Secure Technologies funciona de forma inteligente e além de gerir todos estes parâmetros em tempo real, arquiva-os para futuro uso, assim como as decisões que tomou para mais tarde serem analisados, extraindo padrões, entre outros comportamentos úteis, para o bom funcionamento do Algoritmo Genético.

Fruto da evolução, que não é mais do que um conjunto, muitas das vezes, de necessidades heterogéneas que surgem, estamos cada vez mais distantes dos primeiros sistemas de controlo do uso da energia, os interruptores, que accionávamos quando precisávamos de energia ou prescindíamos dela.

A SST sempre privilegiou o desenvolvimento de soluções úteis com aplicabilidade real nas empresas e habitações, seguindo princípios adequados à época. Desenvolve soluções baseadas em inteligência “não natural” com capacidade de aprendizagem”, tomando decisões, optimizando o conforto do local, com uma análise muito racional do uso dos recursos, energia e água.

Estas soluções estão disponíveis para os mercados profissional e doméstico, este último onde passamos mais tempo e são de simples instalação por qualquer pessoa. Devidamente utilizadas podem funcionar durante mais de dez anos.

Saiba mais em

Carlos Rosário
13 de Maio de 2021